Poemas
Apartado da infelicidade
Vejo-me apartado daquela indigência

Que outrora reinou, em campos desbravados

Tiraniza tamanha condescendência

Dissipando a razão daqueles, um dia, subordinados



Sei já meu amor, amar com vontade

Numa posição de contrapor

A luz cega da vaidade



Vê-me como te vejo

E execra, por favor, aquele impulso animal

Que te seja igual venerado o beijo

Como te faço sagrada no pedestal



Haverá então razão? Para viver mais um dia que seja

Se no desacerto perpétuo da ilusão

For vossa a figura que lá esteja



Quero que me queiras sem querer

Com aquela repulsa involuntária atraente

E que minha alma se faça desvanecer

Se não for este um sentimento que não mente



Dar-te-ia minha vida se pudesse, para que sentisses o meu calor

E na luz daquela chama que nos aquece

Verias sombras figuradas pelo meu amor.


 
Allenjohnson @ 15-10-2009 15:58:23
Comentários
@ 15-10-2009 17:10:57
Citar   Impróprio?
 
 
  só pela intensidade expressa valeu a pena ler e re-ler... muito bem.
Pág: 1 de 1Ant.   <<   < [ 1 ] >   >>   Seg.