Prosas
saudade
Tem-se apetecido escrever. Nem sei bem porquê, se ultimamente até me tenho sentido sem vontade de quase nada. Não estou inspirado mas tem-me apetecido escrever. E escrevo. Procuro o caderno esquecido que tão fielmente guarda o tempo que já não é, o tempo que já não tenho e que nem sei se alguma vez foi meu. O caderno que ele me ofereceu.

Abro-o apenas nas páginas finais porque as sei em branco. Um branco que reflecte este silêncio que não sei escrever. Faltam aqui palavras que não disse mas que também não ouvi, falta-me aqui aquele tempo, falta-me aqui Ele.
E escrevo, apetece-me! Talvez se deva a este vazio que me tem preenchido os dias, talvez se deva a este turbilhão de sentimentos que me tem habitado por dentro, ou a esta saudade que me visita todas as noites, todas as horas, que me visita desde o dia que Ele me deixou, desde o dia em que perdi a inspiração para escrever.

Esta noite sai, sozinho, para caminhar, para pensar, e veio-me à lembrança uma frase que há já muito tempo recordo ter lido num livro, algo como; “...aqueles que me tocam o corpo nunca conseguem chegar à minha alma..”. Tenho sentido isso mas sobretudo tenho sentido que não tenho alma, que Ele a levou naquele dia, que é Dele e ficará com ele para sempre.
Gostava tant quando Ele me tocava o corpo....a alma. Gostava dos seus dedos finos e compridos, dedos de artista que eram varinhas de condão e que tinham o dom mágico de tornar perfeito tudo o que tocavam.
 
Foi essa perfeição que me encantou, foram os seus dedos que me emaranharam a Ele na primeira noite em que me tocaram; tão leves, tão respeitadores, (...), recordo-me.
Tocou-me mas nunca atingi a perfeição.
A noite está quente mas eu sinto arrepios. Invade-me um medo aterrador, uma ansiedade latejante. Sinto a boca seca, apenas consigo enchergar o escuroda noite e cheira-me a solidão.

Estará Ele sozinho também?

A noite está quente, e azul e apetece-me escrever. Talvez amanhã também me apeteça. Talvez amanhã já me tenha esquecido. Talvez amanhã a inspiração daquele tempo regresse ou, quem sabe,

talvez amanhã Ele me escreva.
 
midio @ 05-01-2011 21:46:22
Comentários
Ainda não existem comentários neste texto. Seja o(a) primeiro(a) a fazer um!