Prosas
dualidade

São dúbias as palavras que, por entre as paredes do ócio, se fundem no pensamento.
São dúbias as palavras que atiro a toda a gente e voltam a qualquer momento.
São dubias as palavras que, em segredo nas lagrimas, atiro ao chão.
São dúbias as palavras que uso quando te afasto e me das a mao.
São dúbias as palavras que trocamos sem trocar e nos dizem tanto
São dúbias as palavras que nos custam atirar, sem saber o quanto
São dúbias as palavras que vagueiam pelos dias que ninguem vê
São dúbias as palavras que se atropelam pelas ruas sem saber porquê 
São dúbias as palavras com as quais mancho este papel imaculado, e no fundo,
São dúbias as palavras quando grito e me sinto amordaçado.

 
drunfs @ 20-06-2007 5:10:04
Comentários
Ainda não existem comentários neste texto. Seja o(a) primeiro(a) a fazer um!